Archive for the ‘Windows’ Category

Não dá para usar Windows XP no EEE PC

Thursday, November 6th, 2008

Há algum tempo eu disse que tinha desistido do Linux no EEE PC por causa de problemas de desempenho e compatibilidade, e havia passado pro Windows XP. Muita gente disse que eu estava fazendo besteira e uns poucos acharam que se era uma decisão bem ponderada tudo bem.

Meus problemas com segurança foram tantos que acabei de desistir da idéia e agora dou razão aos críticos. Realmente o Windows XP não é um sistema operacional sério. :-(

Ontem a Cyntia me disse que o “antivírus” estava dando uma mensagem estranha. Como eu não tinha instalado antivírus nenhum, vi na hora que era algum vírus, trojan, worm ou algo do tipo. Aparecia no Firefox 3.1b1.

Eu achei estranho - nunca usamos Internet Explorer, e nunca fazemos coisa alguma que possa causar risco (não saímos por aí clicando em links de spam). Minha rede é fechadinha, com firewall no roteador e no próprio Windows. Nos últimos dez anos eu nunca tive um problema de segurança de software (nesses últimos dez anos usamos Linux em casa). Eu coloquei o XP no EEE PC há poucos meses, porque a compatibilidade com o hardware era melhor, e eu queria uns joguinhos (World of Goo rocks!).

Fui rodar o AVG (antivírus gratuito) e o Spybot Search & Destroy e me assustei com o que detectaram: como disse no subject, 42 vírus, 17 spywares e não tenho certeza de que encontraram todos.

Puta que pariu, eu sabia que o XP era uma vergonha em termos de segurança, mas fui dar uma de elitista, arrogante e sectário que acha que pegar vírus e trojan é coisa de n00b sem noção e me fodi. A segurança do XP é tão ruim que não há educação de usuário que resolva (ao contrário do que eu costumava dizer).

Depois dessa eu não tenho mais coragem de acessar GMail (Internet Banking nem se fala) com meu EEE. Fodam-se os probleminhas de compatibilidade e usabilidade, estou voltando pro Linux. Não sei ainda se Ubuntu, Mandriva 2009 (que disseram estar funcionando bem no EEE), ou o que vai ser, mas com XP não dá pra ficar.

Porque não acho graça no Google Chrome

Tuesday, September 16th, 2008

2008/9/12 Gustavo Fraguas wrote:

Eu pergunto: ande estão as extensions para o Chrome? Se não tiver extensions esse browser não vale uma bufa enfiada num cordão.
Pode esperar sentado, porque vai demorar *muito* pra aparecer. Existem tantas extensões para o Firefox porque você escreve uma com Javascript e XML (XUL, especificamente). Qualquer um que sabe fazer uma página html com JS sabe fazer extensão para o Firefox.

Isso rola porque a interface do Firefox inteira é definida com arquivos XML (XUL). Se você não gosta de JS dá pra fazer com Java e Python (mas fica meio tosco).

Já a interface do Chrome, IE e outros browsers são tradicionais, hard-coded, e pra mudar só mexendo no código-fonte e recompilando. Então simplesmente não dá pra ter um esquema simples de extensão como no Firefox (só dá pra fazer plugins, que usam uma interface limitada).

O problema é que a flexibilidade do XUL traz lentidão e maior consumo de memória, além de expor o browser a instabilidades causadas por extensões mal-escritas. Dá pra otimizar isso, mas é algo trabalhoso.

O legal é que a cada improvement na VM javascript (como o Tracemonkey) a interface e as extensões do Firefox inteiro ficam mais rápidas. E renderizar interface (botões, janelas, scrollbars) definidas por XML não é muito diferente de renderizar páginas web definidas por HTML, então cada otimizações em rendering engines em geral acabam melhorando o desempenho de interfaces XUL.

Eu acredito que vai ser mais fácil o Firefox chegar no nível do Chrome em termos de velocidade e consumo de memória (o Firefox 3 é mais rápido e mais leve que o 2, que era mais que 1, etc.) do que o Chrome chegar na flexibilidade e extensibilidade do Firefox.

Digo isso porque o Google segue um pouco a linha da Apple, acha melhor manter tudo o mais simples possível para atender 90% do gado do que dar a corda que os os geeks usam pra escalar montanhas e fazer bondage na namorada e os manés usam pra se enforcar… :-)

(Já houve quem risse dizendo que os 1990s ligaram para pedir a metáfora obsoleta de volta, então não precisa repetir a piada)

E nem precisa usar exemplos extremos de extensões sofisticadas voltadas para desenvolvedores e usuários avançados, como a WebDeveloper, Firebug, XPather e XQUSEME. Veja as minhas sugestões de modificações exclusivamente visuais, muito simples e que fazem uma diferença enorme:

  • Classic Compact: tema enxuto para ocupar menos espaço.
  • Classic Compact Options: (habilite a opção Merge Menubar into One Button) e coloque a barra de navegação ao lado da entrada “Menu”.
  • Tree Style Tab: Tabs na lateral do browser, organizadas hierarquicamente.
  • Colorful Tabs: tabs coloridas por domínio.
  • FavIcon: defina ícones personalizados para os bookmarks; escolha ícones para bookmarklets e páginas que não os definem em favicoop.com (são mais de 20.000 ícones). Depois remova o nome dos seus bookmarks, e identifique-os apenas pelos ícones.
  • LocationBar²: barra de endereços formatada (com highlight pro domínio e outras opções)

E essas não são nem metade de todas as extensões que uso. Obviamente não é pra qualquer usuário; é preciso saber dar uns nós. :-)

Desisti do Ubuntu no EEE PC

Saturday, September 6th, 2008

No EEE PC do meu irmão André eu instalei o Windows XP. No da minha mãe, deixei o Xandros mesmo (ela já usava Puppy Linux no desktop em casa, e não faz questão nenhuma de Windows), depois de acertar umas coisas (colocar o Firefox 3, por exemplo).

No meu, claro, coloquei o Ubuntu. Especificamente, o Ubuntu EEE 8.04 - eu só uso Linux em casa e no trabalho, há anos, e nem me passou pela cabeça usar XP. Depois de dois meses, entretanto, meu nível de frustração chegou ao limite.

Eu instalei custom kernels, experimentei cada dirty little trick que encontrei, e mesmo assim não consegui deixar o Ubuntu com compatibilidade e velocidade aceitáveis no Linux. O subsistema de áudio funcionava só quando queria, os codecs não otimizados colocavam a CPU de joelhos para tocar WMVs, suspend e hibernate derrubavam a rede wireless, e no fim das contas eu passava mais raiva do que curtia o subnotebook.

Instalei o XP, fazendo a lição de casa: cortei fora a gordura com o XPLite, instalei Cygwin e Firefox 3, os drivers mais recentes para o vídeo Intel 945, um pacotão de codecs de vídeo com o Media Player Classic… Aquilo tudo que imagino usuários de Windows com alguma noção faz pra deixar o OS razoável.

E fiquei impressionado com os resultados! O XP roda extremamente bem no EEE, bem melhor do que eu esperava, e com toda a compatibilidade de hardware de que eu preciso. E pra completar ainda existem muitos hacks específicos pro EEE que são divertidíssimos.

O meu preferido é o AsTrayPlus, que permite que você coloque resoluções bem maiores que a 800×480 nativa do EEE. Ele usa o hardware de vídeo pra fazer downscaling para 800×480. Não fica perfeito, óbvio (os artefatos, mais visíveis nas fontes, parecem anti-alias exagerado, mas na verdade é o contrário, já que estamos reduzindo a resolução), mas já ajuda horrores na hora de rodar programas que exigem uma resolução maiorzinha.

E já que estou no XP, acho que o jeito vai ser colocar uns joguinhos também… Tentei o Bionic Commando Rearmed, mas não funcionou. :-( O Aces of the Galaxy até vai, mas lento demais para ser jogável.

Tim Web Banda Larga num EEE PC

Wednesday, July 9th, 2008

Perguntaram-me o que achei do serviço Tim Web Banda Larga, especialmente quando usado com o EEE PC:

Minha mãe me emprestou o Tim Web Banda Larga para usar enquanto estou com o Max no hospital. Ela ganhou o modem Huawei E220 na compra do EEE (na Info2 do BH Shopping - o PC701 lá está R$ 1099 em 10x, mas eu comprei lá semana passada por R$ 990 em 3x). Ele custa R$ 189 avulso, e pode ser substituído por um celular high-end (que suporte 3G). Ela está com um plano de 1 Mb/s, que sai por R$ 99 / mês; há planos de até 7.4 MB/s, por cento-e-tantos.

Eu tive dificuldade para instalar no EEE, porque ele não pegava DNS via DHCP. Configurei na unha editando o script (porque editar na GUI não adiantava!) e passou a funcionar 100%.

O sinal de celular no Biocor é horrível (mal dá pra falar às vezes). Quando eu ligo o modem com um conector USB só ele só consegue se conectar à rede GPRS (que é lenta - uns 50 Kb/s - o led fica verde); quando conecto usando dois USBs (para puxar mais corrente) ele se liga à rede 3G (HSDPA, led azul), então dá full speed. O consumo de bateria, entretanto, é muito alto (EEE PC + TWBL em 3G devem durar 1h).

Apesar do contratado ser 1 Mb/s eu na prática consigo 750 +/- 100 Kb/s de download,  e 200 +/- Kb/s de upload (medidos no http://www.testesuavelocidade.com.br ). Não parece haver traffic shaping (torrents funcionam 100%). O uptime no Biocor é bem alto (às vezes a conexão cai para GPRS, mas reconectando “pega” 3G de novo); depois que resolvi o problema do DNS eu não fiquei hora nenhuma desconectado. Uma curiosidade é que a primeira tentativa de conexão sempre falha, mas basta um retry parar funcionar.

Na prática com o EEE+3G dá pra usar a Internet normalmente; eu fiquei particularmente satisfeito com o desempenho do Youtube, que fica excelente. Também não vi problemas de lag (apesar do ping ser alto, 200-300 ms), e usei o Skype (com o microfone e webcam do EEE) sem dificuldade. Eu instalei (sujando as mãos na linha de comando) o Firefox 3 no EEE, e fica fantástico por causa do novo zoom (no Firefox 3 os atalhos Ctrl+ e Ctrl- escalam as imagens junto com o texto).

No fim das contas, estou muito satisfeito, mas não vou pegar um pra mim; eu passo a maior parte do tempo em casa com o Max, logo para mim um roteador wi-fi já resolve.

GMail lento no Firefox 3

Friday, May 2nd, 2008

Todo mundo está reclamando que a interface nova do GMail é desgraçadamente lenta para fazer scrolling de uma lista com muitas mensagens, especialmente com o Firefox 3.

Eu andei investigando em vários fóruns e bug trackers a causa disso; o Google simplesmente diz que o GMail novo é incompatível com o Firefox 3.

Depois de vários dias e de conversar com muita gente, eu finalmente encontrei a causa do problema. Não é exclusivo nem do GMail nem do Firefox (também acontece com o Epiphany, mas não com o Galeon), e dá zica até em diferentes sistemas operacionais.

O problema é um bug no xulrunner, um componente importante usado no Firefox. O bug “real” é esse daqui:

https://bugzilla.mozilla.org/show_bug.cgi?id=424423

Outros bugs que na verdade são causados por ele são:

https://bugzilla.mozilla.org/show_bug.cgi?id=413280

https://bugs.launchpad.net/ubuntu/+source/firefox-3.0/+bug/217580

Aqui tem um caso de teste: https://bugzilla.mozilla.org/attachment.cgi?id=309977

UPDATE:

Esse bug acabou de ser corrigido - usando o último nightly build o GMail está rapidinho mesmo com a interface nova. Assim, a versão final do Firefox 3, que deve ser lançada em breve, não vai ter esse problema.

Emulador de Sega Saturn para Dreamcast

Tuesday, January 29th, 2008

Acabei de testar no Linux (tem versões para Windows e Mac OS X também) o Yabause, um novo emulador de Sega Saturn, open-source (GPL).

Bastou baixar e rodar o .package (que é um auto-installer) do site. A única dependência de que ele reclamou eu resolvi com

sudo apt-get install libgtkglext1

Aqui no Ubuntu rodou o lendário Radiant Silvergun perfeitinho, mas lento (20 fps). O SSF, outro emulador para Windows, roda esse jogo full speed, e acho que sei o porquê: o Yabause não é multi-thread (ele estava usando 100% de apenas um dos meus cores), enquanto o SSF é. Além disso, acredito que o SSF use instruções vetoriais (SSE) para otimizar código, e não vi nada no Yabause que sugerisse isso (provavelmente porque é todo em C, portável).

O mais interessante é que estão fazendo uma versão dele para Dreamcast (o que é bem natural, já que o processador SH4 do DC é bem parecido com o SH3 do Saturn). Não testei ainda (preguiça de gravar CD e ligar o Dreamcast na TV), mas pelo que vi nos screenshots parece que já funciona o básico (dá boot e mostra menus). O mais provável é empacar por falta de RAM, ou ficar tremendamente lento pelo fato do código não ser otimizado, mas já é algo interessante. Lembro-me de ter conversado bastante com o Arnon (que escreveu um emulador de MSX para Dreamcast) sobre emular Saturn no DC, na época em que saíram jogos como o Virtua Cop (que parece um jogo de Saturn rodando no DC, sem mexer nada).

E por falar em emuladores da Sega, uma conseqüência legal do progresso dos emuladores de Dreamcast - especialmente os totalmente open-source - é que finalmente vamos poder emular em casa as máquinas Naomi (que são Dreamcasts on steroids, com mais RAM). Eu particularmente gostaria de ver um emulador de Ferrari F-355 Challenge de arcade, com três monitores e câmbio manual com embreagem (usando o Logitech G25 ?), e também de jogar Planet Harrier, a continuação de Space Harrier que foi prometida para o Dreamcast mas que acabou só saindo nos arcades. Já apareceram alguns screenshots de versões ainda não lançadas com jogos de Naomi, em breve devem estar disponíveis.

Emulador de Dreamcast full speed, com som

Saturday, January 5th, 2008

Uêba.

Como se não bastasse poder jogar ficar feliz emulando um Playstation 2, Nintendo DS e Sega Saturn, resolvi testar o nullDC, o novo emulador de Dreamcast. Coisa fina: 60 frames por segundo, com som (meio tosco ainda, entretanto), gráficos perfeitos.

Já que testei o emulador de Saturn com Radiant Silvergun e o de Playstation 2 com Gradius V, é natural testar o de Dreamcast com o magnífico Ikaruga (os screenshots não são meus, mas aqui está a mesma coisa):

Ikaruga emulado no nullDC

Também testei outras coisas, como Rival Schools. Cheguei a abrir o impagável Typing of the Dead, mas o plugin ainda não emula o teclado de Dreamcast! :-)

Drives comuns de PC não lêem GD-ROM (a mídia original do Dreamcast), logo o emulador não funciona com eles, só com imagens ou CD-ROM self-boot gravado. Para rodar no Windows Vista é preciso executar o emulador como administrador (como no pcsx2, de Playstation 2 - por causa da forma como se acessa a RAM do computador).

A BIOS do Dreamcast, junto com o emulador, você encontra aqui: NullDCBios.zip

Outro screenshot para vocês perceberem o poder do negócio:

Soul Calibur emulado pelo nullDC

Para os testes eu usei um Core 2 Duo E4300 1.8 GHz com 2 GB de RAM e GeForce 8600 GT 256 MB DDR3.

Conversão de Formatos no VMWare (5.0 x 6.0, IDE x SCSI)

Wednesday, November 21st, 2007

Depois de muito esforço cheguei a um modo seguro de converter uma máquina virtual Windows XP criada no VMWare Server 5.x pro VMWare Workstation 6.x. O procedimento deve funcionar em várias outras situações.

Basicamente, você cria uma outra VM com a mesma configuração da antiga, e usa (um backup do) disco antigo nela. O problema é que de uma versão pra outra mudam os dispositivos virtuais instalados: no meu caso a placa de rede mudou, e quando eu dei boot no disco antigo ele carregou os drivers velhos e deu problema no serviço PlugPlay do Windows.

O processo services.exe consumia 100% de CPU, e o sistema ficava inutilizável. Como expliquei no post anterior, usei as ferramentas de linha de comando do XP para identificar qual era o processo (usando o tasklist.exe ), e matei o serviço PlugPlay usando o editor de Registry de linha de comando (reg.exe), mas não consegui instalar o novo driver (do VMWare Tools 6.x): só dá pra fazer isso com o PlugPlay ativo, e com ele ativo o consumo de CPU é tão alto que o installer tomou mais de 12 h sem terminar.

Resolvi começar de novo: primeiro dei boot na VMWare 5.x, e desinstalei o VMWare Tools. Também desabilitei a placa de rede e a de vídeo. Só então copiei o disco para a VM 6.x. Ela subiu sem problemas (e, obviamente, sem rede e com VGA padrão). Aí instalei o VMWare Tools, e só então mandei procurar por novo hardware, para que os novos drivers fossem instalados.

Funcionou perfeitamente, e agora tenho uma VM que suporta USB 2.0, além dos outros improvements da versão 6.x.

Agora faltava converter o disco para SCSI! Segui esse procedimento:

http://kb.vmware.com/selfservice/microsites/search.do?language=en_US&cmd=displayKC&externalId=1881

Só que ao invés de ficar fazendo conta de cilindros como eles indicam eu simplesmente criei um novo disco SCSI com o mesmo tamanho do IDE e copiei a seção DDB do arquivo vmdk do novo disco SCSI pro IDE. Antes de tirar o disco IDE antigo da máquina virtual eu dei boot com o IDE e o SCSI, pros drivers serem instalados direitinho.

Ah, eu entrei nessa de converter pra SCSI porque isso era uma das coisas que estava carroçando minha VMWare no Ubuntu. É que o kernel mais novo do Linux trata todos os discos, inclusive os IDEs antigos, como SCSI, internamente, e então usar IDE na VM atrapalha.

Agora minha VMWare XP está 100%, com tudo exatamente do jeito que eu gostaria. Hurray!

Substituindo o cmd.exe por algo decente

Tuesday, November 13th, 2007

Eu vivo na linha de comando. No Linux, uso a impressionante fish, uma shell com recursos como syntax highlight, code completion, e mais um monte de coisas que deixa a shell default, bash, com cara de algo restrito e limitado.

Quando sou obrigado a usar Windows a primeira coisa que faço é instalar a cygwin, um ambiente Linux-like para Windows, obviamente usando o rxvt, porque o terminal padrão é algo risível. Já tentei algumas vezes, mas nunca consegui compilar a fish para a cygwin, então fico com a bash mesmo, devidamente personalizada.

Agora inferno mesmo é quando sou obrigado a usar o interpretador de comandos do Windows, que mudou muito pouco desde que ele era o prompt do DOS. É verdade que a nova PowerShell é bacana, mas usar um interpretador tão sofisticado naquele terminalzinho meia-boca dá nos nervos.

Uma das coisas que descobri recentemente que me ajuda bastante a vida é a aplicação open-source Console2. Ela substitui não o interpretador de comandos, mas o terminal (i.e., a janela de texto), por algo que lembra o Gnome-Terminal no Linux. As vantagens ? Seleção de texto decente (ao invés de por bloco) e múltiplas tabs, dentre outras coisas. Um screenshot:

Console 2 in action

Se você passa mais do que cinco minutos por dia no prompt do Windows, experimente.